Matéria Sobre Teatro Documentário

na Folha de S. Paulo

17 de Novembro de 2010


23º 32' S 46º 38' W ou Como se pode brotar poesia na casa da gente?

Norte, Sul, Leste, Oeste.

Tínhamos a ilusão que coubesse na mão.

O real agora é real-virtual.

Antes tarde do que nunca.

Estavam compartilhando um pouco de São Paulo com a gente, agora é a vez de compartilhar com vocês.

Abraços,

Cia. Teatro Documentário


O que é o Projeto?

Como chegamos até aqui?

Pesquisa de campo na ZS

Nosso norte na Sul: do Paraíso ao Sacolão das Artes










Cruzar as pontes que margeiam os grandes centros comerciais da grande metrópole.

Desensacolar contrastes: num dia inteiro, sentir a quentura do sol e o frescor da água da chuva

contemplar a imensidão de um rio malcheiroso

a magnitude do soberbo centro comercial

a beleza sem photoshop que retrata da menina da favela sem retrato

o cheiro desperfumado de gente

a textura desagradável da realidade nos causando arrepios de calor

comer feijão de corda, carne seca e pra descer melhor toda a paisagem: uma breja gelada

uma parada na casa da ex-militante falante, dona Maria

uma conversa com o negro que encabeça a batucada da vida, o samba (sem?) poesia, sem espetáculo

um café bem passado no Sacolão

uma via-sacra tão bem conduzida

um fragmento de vida dura

outro de vida mansa

uma São Paulo Zona Sul sob um bravo olhar,

um bravo caminhar

uma brava companhia.















Residência Zona Sul

Outubro/Novembro de 2010

Grupo Parceiro: Brava Companhia

Recepção teatral e o veto ao modernismo na obra de Oswald de Andrade

Oficina compartilhada na ZO

Aconteceu no espaço Pyndorama a palestra que pretendia proporcionar estudos teóricos e reflexão de comum interesse para os dois grupos de teatro, além de fortificar laços e proporcionar maior pensamento teatral para as produções na cidade de São Paulo. Os presentes eram os integrantes de ambos os grupos.



Giuliana Simões falou sobre história do teatro, porem com a perspectiva dos fracassados, conhecemos a história pelos vitoriosos e assim é no teatro também, os grandes textos, os sucessos de bilheteria, as grandes cias. do passado, entretanto desconhecemos o que foi tentado e não efetivado, ou melhor, efetivado, mas não nas graças do público a ponto de ser encenado, criticado, bem criticado e registrado.

Quando uma obra não é bem aceita pela platéia em algum tempo histórico, provavelmente é porque ela entra em confronto com o que Jauus nomeia por Horizonte de expectativa. Significa dizer a respeito de um padrão esperado e cultivado no tempo histórico em questão e pela classe dominante.

Mesmo na recusa a idéia é que o objeto artístico saia da experiência privada seja na caixa preta do teatro, seja no museu, seja na música apreciada e vá para a vida pública, retorne para a sociedade pela conscientização do espectador ou pelas novas posturas praticadas por ele ainda que inconscientes.

Pela ZO…


Audio (Caio) + Visual (Jonas)



Carol (artista convidada Z.O) + Soler

“A cartografia de vera ou 1,2,3 respira”

Intervenção Cênica na Zona Oeste

Cenas de teatro

Cenas de vida

Vidas em cena.

Um encontro para cenas, vida e teatro




Vera, uma mineira paulistana, traz consigo a contradição da cidade: mesmo na aparente lentidão é impelida a seguir valores de um sistema ágil em criar necessidades de consumo.














Eu queria ser como codorna, ia pra frente e nunca olhava pra trás. Andava e sumia.

Outra coisa que eu queria ser é motorista de taxi, porque quando alguém dá sinal, ele nunca sabe pra onde vai... Pode ir pra zona norte, zona sul. Pode ir até ali só.”












Lica era uma cachorrinha que sabia atravessar as ruas

Conseguia distinguir a luz vermelha da verde do semáforo.

Andava por todo bairro de pinheiros





Pela ZO...



Carroça Antropofágica

Quem conta um conto... (ver convite)

Nossa Oficina na Zona Oeste















No meio do caminho havia uma pérola. Duas. Três.

Quais as histórias que a gente enterra no peito e se engasga na hora de contar? Que tempo é esse que nos inviabiliza pro outro?












Escutar histórias da Dona Mariquinha, avó de Vera, que fazia pudins mágicos roubados pelas netas; escutar o constrangimento daquela que se borrou de vontade no meio da rua e sentiu o cheiro que ninguém sentiu; saber da tia que teve o noivo enforcado e quebrou a costela da vizinha com um paralelepípedo; a ligação pra Machado de Assis e a ida ao livro de contos para paralelepipedar, a história contada de um jeito confuso, mas que nasceu numa festa de São João e teve a lua como personagem central.




Documentar o que ninguém pergunta mais é o que faz o baile acontecer numa sala acolhedora iluminada pela lâmpada incandescente do afeto de agorinha.

Pesquisa de campo na ZO

Uma quinta feira bem cedo, dia nublado, risco de chuva. Chegamos no espaço Pyndorama para encontrar com Tiago, Claiton, Renata, dentre outros membros da Companhia Antropofágica, de lá tomamos o nosso rumo e fomos conhecer a Zona Oeste de São Paulo.


Tendal da Lapa

Estação lapa




- Onde é a sua casa?

- Minha casa é a rua, eu moro na rua.





Pirituba, Perus




- Subam aqui! Podem entrar, vamos conversar.




















Cemitério Dom Bosco




Fim de tarde

Residência Zona Oeste

Setembro/Outubro de 2010

Grupo Parceiro: Cia. Antropofágica


Musicalização: Exploração de possibilidades sonoras nos objetos cotidianos

Oficina compartilhada na ZN

Danilo Monteiro foi quem nos propôs a oficina. Ele é músico, poeta e jornalista. Graduado em Jornalismo pela ECA/USP e Mestre em Letras pela FFLCH. E integrante do “Dolores”, grupo parceiro na Zona Leste.



Porta ritmo janela parede chão teto volume chão parede Porta janela teto parede Porta janela Porta parede teto janela chão parede janela Porta parede chão teto janela parede Porta chão parede Porta teto parede janela Porta janela parede chão timbre teto Porta parede Porta teto chão Porta chão parede Porta janela teto parede Porta janela Porta parede teto janela chão parede janela Porta parede chão teto janela parede Porta chão parede Porta andamento teto parede janela Porta janela pulsação parede chão teto Porta parede Porta teto chão Porta chão parede Porta janela teto parede Porta janela Porta parede teto janela chão parede janela Porta parede chão teto janela parede Porta chão parede Porta teto parede janela Porta janela parede chão teto Porta parede Porta teto chão ritmo Porta

tempo

“PRA VOCÊ NÃO ESQUECER”

Intervenção Cênica na Zona Norte

Cenas de teatro

Cenas de vida

Vidas em cena.

Um encontro para cenas, vida e teatro




José Guilherme mirou o alvo

Disparou o coração

Disparou o olhar malandro-carioca-paulista

pra moça bonita caipira de Itajubí




Ana Carolina não é Carol.

Felipe não é Fê




A casa anteriormente privada foi aberta e vivenciada, tornando-se pública, sem muros, só trocas.

Quem conta um conto... (ver convite)

Nossa Oficina na Zona Norte

Dedo de prosa e ao sabor de café começamos a lembrar do passado, dos avôs, dos imigrantes, das ruas da zona norte, do rio Tietê, dos bondinhos, do famoso trem das onze, de como era e de como é a zona norte da cidade, e de como seus moradores eram e como ficaram com os abraços dados pelo tempo e pela modernidade que tende a esquecer e a ignorar a história.

A memória tornava-se cena, tornava-se protagonista, tornava-se presente


Seu José Guilherme e sua esposa Sônia logo se interessaram pelo projeto e esse foi o nosso casal documentado representando a zona norte da cidade de São Paulo. A zona norte passa pelo olhar e pelo sentir dessas pessoas.


Pesquisa de campo na ZN

Encontramos com Cida, Claudia José Budda dentre outros integrantes numa travessa da Avenida Imirim, muito próximo ao cemitério "Chora Menino".

Eis que tivemos uma surpresa, 80% da apresentação foi feita de dentro dos automóveis, andar sobre rodas por inúmeras ruas e avenidas da Zona Norte. O olhar desse grupo foi justamente esse: a cidade de dentro do carro. Paramos poucas vezes pra realmente descer e pisar em terra firme.

A Zona Norte de São Paulo geograficamente não deveria fazer parte da cidade de São Paulo, uma região avulsa ao norte do rio Tietê. Há algumas décadas atrás não tinha ligação com o centro, muito menos com as outras regiões. Não existiam pontes, o transporte coletivo era ainda mais decadente, o rio literalmente desmembrava uma parte da cidade.

Bairros de classe alta à classe baixa, o Shopping Center Norte visto como um marco da região (local frisado inúmeras vezes pelos uZyNominados), o Campo de Marte, Anhembi, Horto Florestal, o Samba, o Tremembé. Avenida Cruzeiro do Sul, a FATEC, terreno antes ocupado pelo Presídio do Carandiru. Mirante de Santana



Residência Zona Norte

Julho/Agosto de 2010

Grupo Parceiro: uZyNonimados

História da casa brasileira

Em todas as Zonas Documentadas temos um artista convidado. Na zona Leste foi a Julia Saragoça. Atriz, arquiteta e integrante do grupo parceiro da mesma zona, Dolores Boca-aberta Mecatrônica de artes.

Depois de um primeiro contato com a nossa pesquisa, a Julia nos propôs uma leitura:

História da casa brasileira – A casa colonial. Casas Urbanas e Rurais. A habitação burguesa. De Carlos Lemos



Guga + Márcio

Antes de tudo o ato de morar é uma manifestação de caráter cultural e enquanto as técnicas construtivas e os materiais variam com o progresso, o habitar um espaço, além de manter vínculos com a modernidade também está relacionado com os usos e costumes tradicionais da sociedade

...

A casa deve ser entendida com um todo, como função abrigo. Principalmente abrigo do fogo onde, tanto em Roma como na casa do índio, o Lar, pedra onde se acendia o lume, significou a própria moradia.

Guga + Soler + Júlia

(em casa)